| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

A luz lusófona
Desde: 25/01/2017      Publicadas: 52      Atualização: 30/05/2017

Capa |  África lusófona  |  Arte  |  Atualidades  |  Desenvolvimento pessoal  |  Desportos  |  Gastronomia  |  Literatura  |  Moda  |  Mundo  |  Música  |  Política  |  Turismo  |  Vida estudante


 Mundo

  23/03/2017
  0 comentário(s)


Rosa Parks, a mulher que mudou as mentalidades - por Elvira Mingiedi

Dezembro de 1955, uma mulher chamada Rosa Parks recusou ceder seu lugar no autocarro. Seu famoso "não" mudará a história.

Rosa Parks, a mulher que mudou as mentalidades - por Elvira Mingiedi

Rosa Louise McCauley (4 de fevereiro de 1913- 24 de outubro de 2005) é uma afro-americana que se tornou uma figura emblemática pela luta contra a segregação. Seu pai era carpinteiro e sua mãe professora, aliás será sua mãe que lhe dará aulas em casa. Rosa Parks prosseguirá seus estudos numa escola fundada pelas famílias brancas do Norte dos Estados-Unidos para os alunos pretos, e que em seguida será incendiada pelo Klu Klux Klan. Segundo a narrativa de Rosa Parks, percebe-se que ela nunca teve raiva dos brancos. Nesse período, o mundo no qual ela vive está embebido no racismo. As leis Jim Crow promulgadas nas municipalidades ou nos estados do Sul dos Estados-Unidos em 1876 e 1957 imporiam uma severa segregação entre afrodescendentes e brancos. 

 

Em primeiro de dezembro de 1955, Rosa Parks, 42 anos, costureira, trabalhou todo o dia em Montgomery, no Alabama e este dia decide sentar-se no lugar dos brancos no autocarro. O condutor do autocarro 2857 que levou Rosa Parks pede para ela e três outros passageiros pretos para irem no fundo do ônibus onde os pretos têm por habito de se sentar. Rosa Parks cansada, terá uma atitude que transtornará a sociedade americana. Sua resposta será curta e breve “não”. A polícia a parará e ela será considerada culpada e recebera uma multa de 15 dólares. Ela declara, além disso, na sua autobiografia (que publicou com James Haskins em 1992):

" As pessoas contam que eu recusei renunciar meu assento porque eu estava cansada, mas não é verdade. Eu não estava fisicamente cansada, ou não mais habitualmente que ao fim dum dia de trabalho. Eu não era velha, enquanto alguns dão-me uma imagem de uma mulher velha. Eu tinha 42 anos. Não, o único cansaço que eu tive foi ceder."[1]

 

O dia do seu processo, 5 de dezembro de 1955, o movimento do boicote dos autocarros de Montgomery luta para reclamar justiça. Martin Luther King, jovem pastor, que reivindica três fórmulas: a liberdade para os pretos tal como para os brancos de se sentarem onde quiser no autocarro, mais cortesia perante os pretos da parte dos condutores, e contratar condutores pretos. No dia 4 de junho de 1956, o tribunal federal condena as leis segregacionistas em vigor nos transportes públicos. Assim, Rosa Parks ganha o processo e torna-se uma grande personalidade no mundo afro-americano.

 

[1] https://fr.wikipedia.org/wiki/Rosa_Parks

  Autor:   Elivra Mingiedi


  Mais notícias da seção Mundo no caderno Mundo
24/03/2017 - Mundo - O dinheiro antes da saúde? por Alexandra Lobo
Por que quando a vacina contra o HIV começa a dar resultados, a agência de fomento interrompe as pesquisas? Saúde ou dinheiro, o que pesa mais aos olhos dos farmacêuticos?...
23/03/2017 - Mundo - Malala - por Adersa Sanches
Malala Yousafzai é a jovem paquistanesa que desafiou os talibãs....



Capa |  África lusófona  |  Arte  |  Atualidades  |  Desenvolvimento pessoal  |  Desportos  |  Gastronomia  |  Literatura  |  Moda  |  Mundo  |  Música  |  Política  |  Turismo  |  Vida estudante
Busca em

  
52 Notícias