| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

A luz lusófona
Desde: 25/01/2017      Publicadas: 27      Atualização: 16/02/2017

Capa |  África lusófona  |  Arte  |  Atualidades  |  Desenvolvimento pessoal  |  Desportos  |  Gastronomia  |  Literatura  |  Moda  |  Mundo  |  Música  |  Política  |  Turismo  |  Vida estudante


 África lusófona
  16/02/2017
  0 comentário(s)


Kurudo - Por Joana Simões
O Kuduro é um estilo musical atualmente, porém nos seus primórdios se resumia apenas a um ritmo de dança. A tradução do nome quer dizer "bumbum duro" (fazendo uma referência ao modo com que se dança) e este estilo de música surgiu em Angola.
Kurudo - Por Joana Simões

O Kuduro é um gênero de música e de dança que surgiu em Luanda no início da década de 90. O som é resultado da fusão de influências que vão do Semba angolano ao Zouk congolês, ao Soca das Caraíbas, ou ao Techno, Hip-Hop e o House Music americanos. A esta megafusão rítmica está associada letras apropriadas da linguagem oral urbana de Luanda, um calão também ele de fusão linguística sobretudo de kimbundo e português, mas também com influências do lingala e do inglês. 

 

A dança Kuduro, tão ou mais importante que a música, foi inspirada, segundo Tony Amado (um dos seus inventores), num filme em que o ator belga Jean-Claude Van Damme dança embriagado. Movimentos de dança angolana são associados ao Break-dance e ao Popping, em verdadeiras performances individuais ou em grupo, muito teatralizadas. Apesar de ter uma base de movimento comum, na dança kuduro prima-se pela individualidade, na qual cada um representa uma ação própria, com forte uso de expressão facial. O ritmo acelerado da cidade, nas suas dimensões econômica, política e social, reflete-se neste fenômeno de cultura urbana, de base rítmica também acelerada, não só no seu aspecto formal, mas também na velocidade com que diariamente reinventa-se, aporta e propõe novas palavras, ritmos e movimentos.

 

O Kuduro é criado e produzido nos musseques de Luanda e rapidamente difundido nos Kandongueiros. Diariamente surgem novas músicas que alimentam o vocabulário de Luanda de novas dicas (expressões), novas batidas (ritmos / sons), e novos toques (movimentos). Esta criação frenética de linguagens urbanas tem uma expressão importante na sociedade angolana atual e sobretudo nos mais jovens. Certamente, por essa razão, o Kuduro tem sido alvo de tanta polémica na sociedade angolana. Uns criticam a sua forma musical por fugir à “tradição” melódica da música angolana, outros criticam a sua linguagem e mensagem agressiva, associando o Kuduro à violência e Gangs dos musseques, outros sentem algum incômodo com as suas palavras cáusticas e de crítica social. 

 

Citando o músico angolano Paulo Flores, no documentário "Kuduro, Fogo no Musseke":

 

“O Kuduro representa uma voz de uma nova Angola. Uma Angola que quer ser ouvida, e mais que isso, tem de ser ouvida. Angola dos jovens, Angola dos bairros, da periferia... Angola que tem uma mensagem para dizer e para contar. Parece-me que a única forma de nos conhecermos a nós próprios é se tivermos esse espaço para ouvir os outros. ”

 

Kuduro: Dos musseques para os Kandongueiros, do YouTube para o mundo.

 

 

Fonte:

http://www.5dasartes.com.br/2012/03/danca-do-kuduro-o-que-e-e-onde-surgiu.html

 

  Autor:   Joana Simões


  Mais notícias da seção África lusófona no caderno África lusófona
16/02/2017 - África lusófona - Kizomba - Por Marine da Silva Ferreira
Kizomba é um género musical e um estilo de dança originários de Angola, confundido por muitas vezes com o zouk, porque os dois têm ritmos muitos semelhantes. O termo "kizomba" tem origem duma expressão "kimbundu" que significa "festa". Kizomba é geralmente cantado em português. Seu estilo musical é tipicamente angolano....



Capa |  África lusófona  |  Arte  |  Atualidades  |  Desenvolvimento pessoal  |  Desportos  |  Gastronomia  |  Literatura  |  Moda  |  Mundo  |  Música  |  Política  |  Turismo  |  Vida estudante
Busca em

  
27 Notícias